fevereiro 29, 2008

A Queda de Marx e a Ascensão de Maomé nos Balcãs (Parte I)




Talvez nada exemplifique melhor as surpreendentes e bastante paradoxais mudanças ocorridas nos Balcãs, após o final da Guerra Fria, do que o caso da Albânia e dos albaneses. Em 1967, Enver Hosha, o líder comunista do país, por nascimento um muçulmano, foi, enquanto governante, simpatizante da União Soviética de Estaline, e, mais tarde, a partir dos anos 60 do século XX, da China de Mao Tsé-Tung. A sua liderança colocou o país na vanguarda do socialismo-comunista ao proclamar oficialmente a Albânia como o primeiro Estado ateu do mundo, provavelmente entusiasmado com os avanços da revolução cultural chinesa na época. Para os adeptos da ideologia socialista-comunista em todo o mundo este foi um passo particularmente aplaudido, que colocou a Albânia como farol do processo de erradicação do «ópio do povo» (a religião), no famoso dito novecentista de Karl Marx. Um quarto de século mais tarde, em finais de 1992, Sali Berisha, o médico que foi o primeiro Presidente eleito livremente do país, e que actualmente é Primeiro-Ministro, também originário de uma família muçulmana, assinava, na sede da Organização da Conferência Islâmica (OCI), em Jeddah, na Arábia Saudita, o documento de adesão da Albânia a essa organização, tornando-se, desta forma, o primeiro Estado europeu a pertencer a este «clube muçulmano» (isto, se exceptuarmos a euro-asiática Turquia que é membro fundador desta organização desde 1969 e tem em Ekmeleddin Ihsanoglu o seu actual Secretário-Geral).

Desta forma, e num período de tempo que, de um ponto de vista histórico, até pode ser considerado bastante curto, a Albânia trocou Marx (e Mao) por Maomé, e substituiu os seus «antigos» ideais do socialismo revolucionário, da sociedade sem classes e da fraternidade operária, pelos «novos» ideais da solidariedade islâmica, da luta dos povos muçulmanos para a salvaguarda da sua identidade, e do desenvolvimento de acções coordenadas para salvaguarda dos Lugares Santos do Islão, contidos no texto fundador da OCI. Desta forma, passou a (re)inserir-se no Islão mundial e na umma, a comunidade universal dos crentes muçulmanos. Todavia, convém recordar que Albânia não é um país «maioritariamente muçulmano» como a Turquia, a qual «só» tem 99,8% de população muçulmana (a diversidade religiosa turca ocorre dentro do Islão, existindo, a par da maioria sunita de rito hanefi/hanefita, vários grupos heterodoxos importantes como os alevis-kizilbaxes, os bectaxis, etc.). Na Albânia, para além da diversidade dentro do Islão, existem de facto substanciais populações religiosa e/ou sociologicamente cristãs (católicos e ortodoxos) que representarão cerca de 30% da população total (não existem dados estatísticos oficiais recentes sobre a sua composição religiosa, ao que tudo indica devido à sensibilidade política do assunto). A albanesa mais célebre do século XX – Madre Teresa de Calcutá –, uma personalidade da Igreja Católica e do mundo ocidental, evidencia bem o que acabámos de afirmar: nasceu em 1910 como súbdita do Império Otomano, numa família etnicamente e linguisticamente albanesa, numa localidade próximo de Skopje, na altura a capital do vilayet (província) otomana do Kosovo e que hoje é capital da Macedónia, a ex-República Jugoslava da Macedónia.
JPTF 2008/02/29

fevereiro 27, 2008

A independência do Kosovo vista da Suíça: cartoon de Herrmann no jornal Tribune de Genève

"Cristãos acossados na Argélia" in El Pais, 27 de Fevereiro de 2008


Hace un par de meses, la paciencia del nuncio apostólico en Argelia, Thomas Yeh, y del arzobispo católico de Argel, Henri Tessier, llegó a su límite. Tomaron entonces una iniciativa sin precedentes desde la independencia, hace 45 años: organizaron una reunión con 15 embajadores occidentales en la nunciatura.

Hace un par de meses, la paciencia del nuncio apostólico en Argelia, Thomas Yeh, y del arzobispo católico de Argel, Henri Tessier, llegó a su límite. Tomaron entonces una iniciativa sin precedentes desde la independencia, hace 45 años: organizaron una reunión con 15 embajadores occidentales en la nunciatura.

Yeh les entregó una larga lista de agravios y trabas padecidos por los cristianos desde la Semana Santa de 2006. El más grave es, según la Iglesia católica, un intento encubierto de expulsión hace nueve meses. Tras recibir una circular del Ministerio del Interior, las autoridades locales, a veces el mismo wali (gobernador), convocaron en mayo a sacerdotes y monjas para, en la mayoría de los casos, "pedirles que se marchen con urgencia" del país a causa de la amenaza de Al Qaeda.

En las grandes ciudades, como Argel y Orán, y en varios remotos lugares del desierto, sólo les solicitaron que extremaran la prudencia e "informen a la policía de sus desplazamientos". "Ninguno aceptó marcharse", recalca con orgullo el documento remitido a los embajadores.

La presencia católica en Argelia es más bien testimonial. Se resume a unos miles de fieles repartidos en cuatro diócesis -Argel, Orán, Constantina y Gharadia-, en 110 sacerdotes y monjes y 175 monjas apoyados por un centenar de laicos. Se les han añadido recientemente los protestantes evangélicos, que han logrado atraer a miles de argelinos.

En Argelia hay, según algunas estimaciones, entre 70.000 y 120.000 sobre un total de 33 millones de habitantes. "Si no nos fuimos a mediados de los noventa, cuando nos mataban como chinches -19 asesinatos en dos años-, ahora tampoco hay motivos para hacer las maletas", explica un religioso.

El arzobispo Tessier pidió en mayo audiencia con el ministro de Interior, Yazid Zerhouni, y consiguió que redactase una segunda circular que rectificaba en parte la primera, que hubiese provocado un éxodo. No siempre Interior ha actuado así. En diciembre de 2006, el presidente de la Iglesia protestante de Argelia, el pastor suizo Ueli Senhauser, se vio obligado a abandonar el país al no serle renovada su residencia. Las dificultades para la obtención de visados de entrada son cada vez mayores hasta el punto de que el arzobispo de Nîmes o la madre superiora de las Hermanas Blancas han renunciado a sus viajes.

"Aunque bien intencionada, la lista del nuncio es incompleta", señala Youssef Ourahman, un pastor evangélico de Orán. "Bajo diversos pretextos a nosotros nos han cerrado siete iglesias en 2007", prosigue este argelino que se convirtió al cristianismo hace 30 años.

Desde la reunión en la nunciatura, la tendencia persiste. Pierre Wallez, un sacerdote francés, fue condenado el 30 de enero a un año de cárcel por un tribunal de Maghnia por haber rezado, un mes antes, con un puñado de cameruneses católicos que intentaban emigrar a España.

A Wallez se le aplicó una ley, aprobada hace dos años, que prohíbe cualquier culto no musulmán fuera de los edificios expresamente autorizados. Wallez rezó en medio de un bosque porque es allí donde malviven los subsaharianos. "La Iglesia católica de Argelia no comprende esta sentencia", señaló un comunicado del obispado de Orán.

Una semana después, un tribunal de esa ciudad condenó a tres pastores evangélicos a tres años de cárcel y una multa individual de 500.000 dinares (5.200 euros) por blasfemar y quebrantar la fe musulma, dos delitos recogidos en la ley de 2006.

Bouabdallah Ghamallah, el ministro de Asuntos Religiosos, insiste en sus intervenciones en que en Argelia "hay libertad de culto", pero justifica los veredictos. Los que montan iglesias clandestinas en garages, sótanos o casas particulares "caen en la ilegalidad", subrayó. "Desprecian la legislación y se colocan fuera de la ley".

"Un extranjero que pide a un argelino que cambie de religión atenta contra su dignidad", sostuvo Ghamallah ante los micrófonos de la radio pública. "Tenemos la impresión de que asistimos a un renacimiento del proselitismo del siglo XIX", se lamentó.

"Desde hace un tiempo, el proselitismo", denuncia, por su parte, el jeque Bouamran, presidente del Alto Consejo Islámico, "se ha convertido en un fenómeno más visible y cínico que antes de la independencia", cuando los padres blancos franceses recorrían el país. Por eso invitó públicamente a los servicios de seguridad a que tomen cartas en el asunto. Si la seguridad debe investigar es porque esos grupos tienen vínculos con Occidente. Los evangélicos "buscan constituir una minoría que dará un pretexto a las potencias extranjeras para inmiscuirse en los asuntos internos de Argelia", advirtió el ministro Ghamallah.

El presidente del Consejo de los Ulemas (doctores de la ley islámica), Abderramán Chiban, confirmó la injerencia extranjera cuando narró, la semana pasada, su entrevista con un diplomático de EE UU que le preguntó por "la persecución de los cristianos". "Le respondí que los musulmanes sí que están siendo perseguidos por los cristianos en sus países", afirmó con aplomo.
http://www.elpais.com/articulo/internacional/Argelia/acosa/cristianos/elpepiint/20080227elpepiint_1/Tes?print=1
JPTF 2008/02/27

fevereiro 23, 2008

"A nova invasão do Iraque" in The Independent, 23 de Fevereiro de 2007


por Patrick Cockburn

The invading Turkish soldiers are in pursuit of Kurdish guerrillas hiding in the mountains. They are seeking to destroy the camps of the PKK (Kurdistan Workers' Party) along the border between Turkey and Iraqi Kurdistan. "Thousands of troops have crossed the border and thousands more are waiting at the border to join them if necessary," said a Turkish military source.

"There are severe clashes," said Ahmed Danees, the head of foreign relations for the PKK. "Two Turkish soldiers have been killed and eight wounded. There are no PKK casualties." Turkish television said that the number of Turkish troops involved was between 3,000 and 10,000, and they had moved 16 miles inside Iraq.

But the escalating Turkish attacks are destabilising the Kurdish region of Iraq which is the one peaceful part of the country and has visibly benefited from the US invasion.

The Iraqi Kurds are America's closest allies in Iraq and the only Iraqi community to support fully the US occupation. The president of the autonomous Kurdistan Regional Government, Massoud Barzani, said recently he felt let down by the failure of the Iraqi government in Baghdad to stop Turkish bombing raids on Iraqi territory.

The incursion is embarrassing for the US, which tried to avert it, because the American military provides intelligence to the Turkish armed forces about the location of the camps of Turkish Kurd fighters. Immediately before the operation began, the Turkish Prime Minister, Tayyip Erdogan, called President George Bush to warn him.

The US and the Iraqi government are eager to play down the extent of the invasion. Rear Admiral Gregory Smith, a US spokesman for Iraq, said: "We understand [it] is an operation of limited duration to specifically target PKK terrorists in that region." The Iraqi Foreign minister, Hoshyar Zebari, claimed that only a few hundred Turkish troops were in Iraq.

But since last year Turkey has succeeded, by making limited incursions into Kurdistan, in establishing a de facto right to intervene militarily in Kurdistan whenever it feels like it.

Many Iraqi Kurdish leaders are convinced that a hidden aim of the Turkish attack is to undermine the Kurdish region, which enjoys autonomous rights close to statehood. Ankara has always seen the semi-independence of Iraqi Kurdistan, and the Kurds' claim to the oil city of Kirkuk, as providing a dangerous example for Kurds in Turkey who are also demanding autonomy.

Many Turkish companies carrying out construction contracts in the region have already left. And businesses that remain are frightened that Ankara will close Iraqi Kurdistan's lifeline over the Harbour Bridge into Turkey.

During the 1990s the Turkish army carried out repeated attacks in Iraqi Kurdistan with the tacit permission of Saddam Hussein, but this is the first significant offensive since the US invasion of 2003. "A land operation is a whole new level," said the US Deputy Assistant Secretary of State Matthew Bryza, adding that the incursion was "not the greatest news".

The Turkish army is unlikely to do much damage to the PKK, which has some 2,500 fighters hidden in a mountainous area that has few roads, with snow drifts making tracks impassable.

The Turkish ground offensive was preceded by bombing. "We were certain yesterday after this bombing that a military operation would take place and we got ready for it," said Mr Danees, adding that bombing and artillery had destroyed three bridges on the Iraq-Turkish border as well as a PKK cemetery.

Another reason why Turkey has launched its offensive now has as much to do with Turkish internal politics as it does with any threat posed by the PKK. The PKK launched a military struggle on behalf of the Kurdish minority in eastern Turkey in 1984 which lasted until the PKK's leader Abdullah Ocalan was seized in Kenya in 1999 and later put on trial in Turkey. The PKK has been losing support ever since among the Turkish Kurds, but at the end of last year it escalated guerrilla attacks, killing some 40 Turkish soldiers.

Limited though the PKK's military activity has been, the Turkish army has used it to bolster its waning political strength. For its part, the mildly Islamic government of Mr Erdogan is frightened of being outflanked by jingoistic nationalists supporting the military. Mr Erdogan has pointed out that previous Turkish army incursions into Kurdistan in the 1990s all failed to dislodge the PKK.

The area which the Turkish army has entered in Iraqi Kurdistan is mostly desolate, with broken terrain in which bands of guerrillas can take refuge. The PKK says it has left its former bases and broken up into small units. The main bases of the PKK are along Iraq's border with Iran, notably in the Kandil mountains, to the south of where the Turkish troops entered. At this time of year the villagers, many of them herders and shepherds, leave their houses and live in the towns in the plain below the mountains until the snow melts.
http://www.independent.co.uk/news/world/middle-east/the-new-invasion-of-iraq-786142.html
JPTF 2008/02/23

fevereiro 22, 2008

A desinteligência da política euro-atlântica face ao Kosovo (2): sérvios da bósnia reivindicam direito à independência


De acordo com uma notícia de hoje do jornal Le Monde, os sérvios da Bósnia querem tirar partido do precedente do Kosovo - o que não é propriamente uma surpresa -, declarando a sua independência no momento oportuno. No texto da resolução aprovada ontem pelo Parlamento da Republika Srpska, por maioria esmagadora dos seus deputados, afirma-se que "se um número significativo de membros da ONU, nomeadamente de Estados-membros da União Europeia reconhecem a independência do Kosovo" isto constitui um "precedente no reconhecimento do direito à autodeterminação, e, por isso, à secessão". No mesmo texto afirma-se ainda que a Republika Srpska "se reserva o direito de organizar um referendo, para decidir do seu estatuto como Estado." Esta resolução ameaça abrir caminho ao fim da frágil estabilização conseguida pelos Acordos de Dayton, em 1995, que pôs fim a três anos de um conflito sangrento. Desde essa altura, a Bósnia-Herzegovina foi dividida em duas entidades estaduais federadas: a Republika Srpska (ou República Sérvia) e a Federação Croata-Muçulmana, ligadas por frágeis instituições federais de Estado unificado. A Bósnia ameaça envolver-se de novo no turbilhão de conflitualidade, agora desencadeado pela independência unilateral do Kosovo.
JPTF 2008/02/22

A desinteligência da política euro-atlântica face ao Kosovo (1): violência e destruição em Belgrado

"Rússia ameaça utilizar a força se a UE e a NATO ‘desafiarem‘ as Nações Unidas" in ABC, 22 de Fevereiro de 2008


El representante de Rusia ante la OTAN, Dmitri Rogozin, consideró el viernes que Rusia podría "utilizar la fuerza" si la OTAN o la Unión Europea "desafían" a la ONU sobre Kosovo.

Por otra parte, ha dicho que "lamenta" las violencias que se produjeron en Belgrado el jueves, pero atribuyó la responsabilidad a los países que reconocieron "unilateralmente" la independencia de Kosovo, declaró el viernes el portavoz de la cancillería rusa, Mijail Kaminin, citado por la agencia Interfax.

Manifestantes incendiaron el jueves en la noche la embajada de Estados Unidos en Belgrado, donde un cuerpo carbonizado fue hallado. También se enfrentaron a las fuerzas del orden tras la gran manifestación contra la independencia de Kosovo.
http://www.abc.es/20080222/internacional-europa/rusia-amenaza-utilizar-fuerza_200802221040.html
JPTF 2008/02/22

fevereiro 21, 2008

A UE, o Kosovo e Chipre: uma estranha política externa



Para a presidência portuguesa da UE foi certamente um grande alívio que os albaneses do Kosovo tivessem aceitado transferir a sua declaração unilateral de independência para o início de 2008. A Eslovénia, um pequeno estado também saído das guerras da ex-Jugoslávia, sem poder e meios para lidar com este complexo problema diplomático, acabou por receber uma prenda envenenada na sua estreia à frente dos destinos da UE. A seguir a esta, não será difícil à França, que lhe sucederá no segundo semestre de 2008, fazer melhor figura na condução dos assuntos europeus recuperando alguma liderança europeia, como ambiciona Nicolas Sarkozy. Quanto à data de 17 de Fevereiro, tudo indica que vai ficar como uma referência importante para os actuais “conflitos congelados” em território europeu e fora dele. Desde logo pela declaração unilateral de independência do líder dos albaneses do Kosovo, Hashim Tahçi; mas também pela primeira volta das eleições presidenciais em Chipre, que levaram ao afastamento das possibilidades de reeleição do actual presidente, Tassos Papadopoulos, um crítico do Plano Annan para a reunificação da ilha.

Interessante é ligar estes dois acontecimentos em curso e a política da UE face aos mesmos. No caso do Kosovo, a linha diplomática dominante é de que as ambições de separatismo dos albaneses da região devem ser premiadas com o reconhecimento da independência. Esta é apresentada como sendo a consequência lógica da intervenção militar da NATO, em 1999, contra a Sérvia agressora de Slobodan Milosevic, bem como do Plano Ahtisaari das Nações Unidas sobre o futuro do Kosovo. No caso de Chipre, a política é, por sua vez, a de apoiar a reunificação da ilha também nos termos de um plano das Nações Unidas (o plano Annan), e não reconhecer a também proclamada unilateralmente (e até agora só reconhecida pela Turquia), República Turca de Chipre do Norte («KKTC»), em 1983. Coincidência, ou talvez não, na génese das ambições separatistas dos cipriotas turcos está também uma “operação humanitária” efectuada em 1974, para salvar os cipriotas turcos da “agressão cipriota grega e grega”. Quanto aos seus mais de 30.000 soldados no Norte da ilha são apenas uma “força de paz” como a da UE nos Balcãs (esta é a versão oficial da Turquia sobre a invasão da ilha). Sendo estas as linhas de política externa, a UE parece ter-se regozijado não só com a declaração unilateral de independência do Kosovo de Hashim Tahçi, com o afastamento de Tassos Papadopoulos em Chipre. Nos media, apesar de algumas reservas pontuais, prevaleceu também similar visão e entusiasmo quanto ao devir destas duas questões internacionais. O único problema é que tudo indica que estamos perante exercícios de wishful thinking e que o futuro destes destas questões internacionais poderá ser até bem mais complicado do que já era. Desde logo, as contradições da política externa europeia estão no cerne da questão.

A UE que, de algum modo tem por ambição federar os povos europeus, apoia não uma federação entre sérvios e kosovares com uma ampla autonomia para estes, mas a secessão destes últimos, promovendo uma Europa que, em vez de se unificar, cada vez mais se fragmenta (o Kosovo é o sexto estado a emergir da ex-Jugoslávia). A segunda contradição, também notória, reside no facto de apoiar a unificação de cipriotas gregos e turcos, ao mesmo tempo que a apoia a separação de sérvios e kosovares. A consequência natural desta política é dar argumentos e legitimar a pretensão (ilegal face ao Direito Internacional) dos cipriotas turcos sobre o reconhecimento da «KKTC», predispondo-os para a não reunificação. Na imprensa turca discute-se abertamente esta possibilidade, em contraste com wishful thinking que prevalece na imprensa portuguesa e europeia, de que o afastamento de Tassos Papadopoulos, simplisticamente esteriotipado como culpado do statu quo, vai abrir caminho à solução para o problema. Para além destas contradições, há várias consequências estratégicas a outros níveis, todas elas bem negativas. Sob uma mal disfarçada aparência de unidade – a originalidade de uma posição comum, onde não há posição comum a não ser cada estado tomar a posição que bem entende, e proclamar que “o Kosovo é um caso único e não serve de precedente” é uma coisa sui generis... –, vê-se de novo o triste espectáculo de uma (des)União Europeia do género da ocorrida em 2003, aquando da guerra do Iraque. Agora é a UE a dividir-se entre os que pretendem reconhecer o Kosovo (a nuance aqui reside no facto de os países grandes estarem de acordo) e os que não o farão, como a Espanha, a Roménia, a Bulgária, a Grécia, Eslováquia e Chipre.

Para além da fractura na UE, a independência do Kosovo está a provocar outra paralisia nas Nações Unidas (que também lembra a guerra do Iraque), não chegando, ao que tudo indica, o Conselho de Segurança a qualquer entendimento, dada a oposição frontal da Rússia e da China à independência unilateral do Kosovo (a pouca credibilidade que as Nações Unidas ainda têm cai assim ainda mais baixo). Mas se isto, só por si, já é mau, a questão tem ainda contornos piores, pois abre uma nova linha de conflito com a Rússia, dando-lhe boas razões para uma nova “guerra-fria”, e motivando-a, cada vez mais, para uma coligação com a China e outros estados descontentes com a actual ordem mundial. Quanto à Sérvia, esta atitude europeia só pode reforçar as forças políticas nacionalistas e mais radicais e fragilizar a coligação governativa de Vojislav Kostunica, enraizando o ressentimento dos sérvios face à UE. Tudo isto é negativo em termos de ambiente internacional e os europeus são a parte mais vulnerável do mundo ocidental, embora actuem como se não fossem.

Para a administração Bush, a independência do Kosovo é apenas corolário da política da administração Clinton para os Balcãs, iniciada nos anos 90. Os Balcãs estão a milhares de quilómetros, não são o México, nem a Nicarágua, nem o país tem territórios com pretensões independentistas, como acontece com vários estados europeus. Outras prioridades estratégicas se seguirão que não a Europa e, muito menos, os Balcãs (os grandes desafios que enfrentam ao seu poder estão cada vez mais no Médio Oriente e Ásia). Por razões geopolíticas óbvias, os europeus não podem pensar assim. Um estado falhado à suas portas será um desastre em termos de segurança, criando um oásis para a criminalidade comum e o jihadismo. Só que ao envolvimento da UE no Kosovo junta-se a necessidade de se envolver (leia-se integrar), a Croácia, a Macedónia, o Montenegro, a Sérvia (se esta ainda tiver vontade de aderir…), a Albânia, e a Turquia, para além das expectativas legítimas, e reforçadas pelas atitudes da UE, de adesão da Ucrânia e da Geórgia. A grande questão é como lidar com todas estas frentes estratégicas abertas ao mesmo tempo, pois a declaração de independência do Kosovo pode, com mais propriedade, ser qualificada como uma “declaração de dependência” da UE e dos EUA, a que se poderá seguir uma dependência do mundo árabe islâmico, se estas falharem nas expectativas criadas de segurança e bem-estar. Face à crescente aversão da opinião pública europeia aos alargamentos, às debilidades de funcionamento intrínsecas da UE, à crise económica e financeira e ao tenso ambiente internacional subsequente ao 11 de Setembro, é pouco provável que haja vontade, capacidade e meios de levar estas tarefas a bom termo. O que se seguirá é difícil de prever mas não dá margens para muito optimismo pela desinteligência estratégica das políticas seguidas.
JPTF 2001/02/2008

Exercícios de semântica cínica na UE: a "posição comum" do Conselho sobre o Kosovo


Que a União Europeia é um organização sui generis não é novidade para ninguém. Talvez mais surpresa seja a originalidade que parece estar a marcar as "posições comuns" e a peculiar forma europeia de respeitar a legalidade internacional, através de interpretações criativas. Nas conclusões sobre o Kosovo da reunião nº 2851 do Conselho da União Europeia efectuada em Bruxelas a 18/02/2008, podemos ler que "O Conselho saúda a continua presença da comunidade internacional baseada na Resolução nº 1244 do Conselho de Segurança". O que o texto se "esqueceu" de dizer é que na Resolução nº 1244 (1999) deste órgão das Nações Unidas se afirma, claramente, logo nas considerações iniciais, "o comprometimento de todos os Estados-membros com a soberania territorial e integridade da República Federal da Jugoslávia", o que não foi propriamente o caso. Quanto à posição comum sobre o Kosovo, uma leitura minimamente atenta do texto mostra também que esta basicamente consiste em que cada "Estado-membro vai decidir, de acordo com a sua prática nacional, e de acordo com a lei internacional, as suas relações com o Kosovo". Ou seja, numa linguagem mais "terra-a-terra" que qualquer pessoa compreende, a posição comum é cada cada um faz o que bem entende em relação ao Kosovo. Percebe-se por que a UE, com este tipo de "posições comuns" é o grande actor da política internacional que todos nós conhecemos. Vindo de uma organização preocupada com o respeito do Direito Internacional e a moralidade na política internacional, o texto não deixa de saber também a um belo exercício de cinismo político.
JPTF 2008/02/21

fevereiro 20, 2008

O Arcebispo, a Sharia, Adam Smith e a Democracia


Ao lermos o livro de Callum G. Brown, "The Death of Christian Britain" (A Morte da Grã-Bretanha Cristã, Routledge, 2000), vêem-nos à mente as recentes declarações do Arcebispo de Cantuária a favor da introdução da Sharia islâmica no Reino Unido. Face à tese sombria do livro sobre o futuro do Cristianismo, o leitor mais ingénuo terá suposto que o líder da Igreja Anglicana estaria extremamente preocupado com a situação de diminuição do número de fiéis no culto e com a perda de vitalidade cristã na sociedade. Todavia, nenhuma destas banalidades terrenas parece preocupar Rowan Williams. O que importa mesmo, segundo parece, é a ideia visionária que teve sobre a introdução da Sharia islâmica, para já em matéria de família, a qual, segundo este, melhoraria a "integração dos muçulmanos britânicos". Podemos imaginar os efeitos desastrosos que um personagem com este perfil teria à frente de uma empresa ou organização com o objectivos de cumprir a sua missão e prosperar, onde a melhor ideia que conseguia ter era... "oferecer o mercado" à concorrência. Felizmente para os accionistas da empresa ou associados da organização, certamente já teria sido despedido. Infelizmente para os anglicanos, vão ter de continuar a aguentar um líder cujo nome, tudo indica, vai ser um referência obrigatória para futuras gerações de historiadores quando tratarem o tema da "morte do Cristianismo" britânico. Mas não é só o Arcebispo de Cantuária que denota esta forma singular de pensamento estratégico, que derrota a própria organização da qual (deveria ter) a responsabilidade de fazer prosperar. Alguns elementos do governo de Gordon Brown, como o responsável pelo tesouro Alistair Darling, mostram propensão para similares medidas visionárias, ao prepararem, longe do escrutínio do cidadão comum, o lançamento de um empréstimo especial obrigacionista de acordo com a Sharia islâmica. Este será sancionado por uma fatwa de um ulema muçulmano e, por isso, livre do "pecado" capitalista dos juros, permitindo ao tesouro britânico financiar-se junto de países do Médio Oriente e, aparentemente também com o argumento de melhorar a "integração dos muçulmanos britânicos" (não é difícil imaginar o coro de protestos que se levantaria, se similar empréstimo tivesse de ser feito com a benção da Igreja - um retrocesso civilizacional, sem dúvida). Já sabíamos que o capitalismo não tem problemas éticos, nem religiosos, com ditaduras de direita (o Chile de Pinochet), nem com ditaduras de esquerda (a actual China comunista). Ficamos agora a saber que também não tem problemas éticos, nem religiosos, com teocracias islâmicas (Arábia Saudita, Emiratos Árabes Unidos, Qatar, etc.). Todavia, este crescente divórcio entre o capitalismo e a democracia liberal é um sintoma preocupante, que não augura nada de bom para o futuro das sociedades democráticas, abertas e pluralistas do Ocidente. Não será por isso grande surpresa se, no país de Adam Smith, o clássico "A Riqueza das Nações" for reescrito para compatibilizar o furor capitalista multicultural britânico com a Sharia islâmica. Não é só o Cristianismo que está lentamente a degenerar e a morrer nas ilhas britânicas, mas também a democracia liberal e secular tal como a conhecemos.
JPTF 2008/02/20

fevereiro 19, 2008

A "declaração de dependência" do Kosovo e a bizarra política euro-atlântica nos Balcãs



Um novo estado - o Kosovo - emergiu no dia 17 de Fevereiro, pelo menos para aqueles países que o reconheceram, como é o caso da maioria dos membros da UE, dos EUA, e, sobretudo, da generalidade dos países da Organização da Conferência Islâmica (OCI) - a excepção, claro, são sobretudo os que se confrontam com reivindicações separatistas sobre o seu próprio território, como, por exemplo, a Indonésia. Mas se a situação do Kosovo era problemática antes de 17 de Fevereiro, tudo indica que o vai continuar ser, pela oposição da Rússia (separatismo da Chechénia e aliança tradicional com a Sérvia), da China (separatismo de Taiwan, do Tibete, etc.), da Índia (separatismo de Caxemira), de vários membros da UE e de um número importante de outros países no resto do mundo. Pelo que foi possível ver até agora, a independência do Kosovo está a criar uma (desnecessária) fonte adicional de tensões, num ambiente internacional já bastante tenso e complexo. O seu exemplo arrisca-se a alimentar reivindicações independentistas, na Europa e fora dela, que podem por em causa a já frágil ordem e estabilidade internacional. Mas o mais paradoxal em tudo isto é a bizarra política euro-atlântica de promover a criação de um novo estado onde a população é, em termos religiosos ou sociológicos, maioritariamente muçulmana, que fica a ser o segundo estado muçulmano na Europa, a seguir à Albânia (ver o artigo de Llewellyn King "Kosovo: Now a Muslim Country in Europe"). As palavras do Secretário-Geral da Organização da Conferência Islâmica (OCI) mostram também, sem grande surpresa, a maneira diferente como é vista, numa perspectiva islâmica, a independência do Kosovo: "um activo para o mundo muçulmano" e um motivo de regozijo para a umma islâmica. Não sei se os europeus e norte-americanos pensaram nisto a médio ou longo prazo - infelizmente, parece que perderam esse hábito -, mas uma coisa parece óbvia: ou assumem a difícil tarefa de construção de um estado e de um protectorado ab eterno do Kosovo (com o necessário envolvimento político, militar e de ajuda económica e social - neste sentido a declaração de independência foi mais uma "declaração de dependência" da UE e dos EUA), ou então, mais tarde ou mais cedo, este será uma porta aberta para a projecção da influência árabe e islâmica no sudeste europeu. Pior do que isso, se o Kosovo engrossar o número de estados falhados - o facto de o primeiro país a reconhecer a sua independência (o Afeganistão), ser um estado falhado tem já a sua ironia ... -, poderá tornar-se numa porta de entrada por onde o islamismo radical e do jihadismo vão tentar entrar na UE. Será que este foi um risco calculado?
JPTF 2008/02/19

Secretário-Geral da OCI apoia a independência do Kosovo que será "um activo para o mundo muçulmano"


With regard to the declaration of independence by Kosovo yesterday, Secretary General of the Organization of the Islamic Conference Prof. Ekmeleddin Ihsanoglu made the following remark today (18 February 2008) in Dakar at the opening of the OIC Senior Officials Meeting preparatory to the forthcoming OIC Summit to be held there on 13-14 March 2008:

"…a very important event took place yesterday. Kosovo has finally declared its independence after a long and determined struggle by its people. As we rejoice this happy result, we declare our solidarity with and support to our brothers and sisters there. The Islamic Umma wishes them success in their new battle awaiting them which is the building of a strong and prosperous a state capable of satisfying of its people. There is no doubt that the independence of Kosovo will be an asset to the Muslim world and further enhance the joint Islamic action."
http://www.oic-oci.org/oicnew/topic_detail.asp?t_id=840
JPTF 2008/02/2008

fevereiro 18, 2008

"Muçulmanos kosovares pretendem reconhecimento e ajuda muçulmana" in Islam Online, 18 de Fevereiro de 2008


CAIRO — The Albanian Muslim majority in newly-independent Kosovo is appealing for swift recognition from Muslim countries as well as assistance to help sustain their new state.

"We call on the Muslim world to recognize the nascent state of Kosovo," Sabri Bajgora, the chief imam at the Islamic Sheikhdom of Kosovo, told IslamOnline.net over the phone.

Prime Minister Hashim Thaci declared the independence of Kosovo on Sunday, February 17, vowing the new state will be a democratic society that respects human dignity.

The announcement was instantly marked by fanfare.

Hundreds of thousands of flag-waving Kosovars, many returned from overseas for the occasion, poured into the snow-blanketed streets of the capital Pristina to celebrate the birth of their independent state.

Firecrackers went off sporadically, competing with folk music blaring from loudspeakers outside CD shops.

Many believe the happiness would be completed with international, particularly Muslim, recognition of Europe's newest state and world's 193rd.
"We are in urgent need of political support to preserve our independence," said imam Bajgora.

Abdullah Klinako, the leader of the Justice Party of Kosovo's youth wing, agreed.

"We need Muslim assistance to join international organizations such as the United Nations."

The US and major European powers had been expected to give swift diplomatic recognition, but EU foreign ministers are still wrangling over how to react.

At an emergency session of the UN Security Council on Sunday, Western powers resisted a bid by Serbia's ally Russia to block the independence.

Kosovo, where nearly two million Muslim Albanians make up more than 95 percent of the population, has been run by the UN since a 1999 NATO campaign ended ethnic cleansing by Serbian troops.

Helping Hand

The survival of the world's newest country – small, landlocked and economically dependent on others - hinges very much on its friends.

Aware of the fact, Kosovars are hoping fellow Muslims, especially wealthy countries, will extend a helping hand.

"We need Muslim economic support to develop our new state in all fields," said imam Bajgora.

"We need Muslim investments to create new job opportunities for young Kosovars," agreed Agron Hoxha, the owner of an internet café.

Landlocked and poor apart from mineral deposits, some 45 percent of the population subsists below the poverty line of 1.5 euros a day.

Half the workforce is in formal employment, with the rest either long-term unemployed or working unofficially.

Some 30,000 young people enter the job market every year, five times the number Kosovo businesses can absorb.

The road and rail network was neglected in Yugoslav times, fell into a total state of disrepair during the 1990s, and was partly destroyed in the 1998-99 war.

Luljeta Selim, the chairwoman of Jeta Ne Kasterjot foundation, hopes Muslims would help thousands of women who were systematically raped by Serb troops during the war.

"Kosovo also needs Muslim aid for thousands of orphans who lost their parents during the war."

http://www.islamonline.net/servlet/Satellite?c=Article_C&cid=1201958027205&pagename=Zone-English-News/NWELayout
JPTF 2008/02/18

"Muçulmanos do Kosovo saúdam a independência" in BalkanInsight.com

Kosovo should celebrate in a dignified and peaceful way its independence, and its minority communities need to be protected, says the Islamic Community of Kosovo, ICK.

In a press release issued on Friday, the chief Mufti, Naim Ternava, congratulates the people of Kosovo, and urges them to be calm and to respect each other during the celebrations.

“It would be better if everyone, including the minorities were to celebrate,” the ICK statement says, adding that “this is a historic moment to be shared by everyone”.

Kosovo’s Serb minority, who make up about 5% of the population, are opposed to independence from Serbia, which is expected to be declared on Sunday.

“There was a lot of blood and tears, and a great deal of effort to ensure this day comes,” but it notes that “the day has finally arrived”.

The ICK also thanks all allies and friends who supported the independence of the UN-administered territory by stating that “thanks to Allah, the support of our friends was there”.

The statement goes on to declare that “an independent, sovereign Kosovo, integrated in the great European family and NATO would be a better future for everyone.

“The Albanian community must extend the support and protection to the Serb community in
Kosovo, because that way we will demonstrate the highest values of our civilisation.”
http://balkaninsight.com/en/main/news/7929/?tpl=299&ST1=Text&ST_T1=Article&ST_AS1=1&ST_max=1
JPTF 2008/02/18

"O mundo após a proclamação da independência do Kosovo em 2020", segundo o jornal Krasnaia Zvezda


O diário Krasnaia Zvezda (Estrela Vermelha), órgão oficial do Ministério da Defesa da Rússia, considera que a proclamação da independência do Kosovo poderá ser um exemplo para 200 lugares na Terra.

Num artigo dedicado à questão do Kosovo “Manta de retalhos da Europa”, o jornalista Vladimir Kuzar desenha o que poderá acontecer em Berlim em 2020 se se repetir a situação no Kosovo.

“Grupos armados extremistas muçulmanos que aterrorizam os alemães de Berlim... trazem para as ruas da capital alemã correlegionários seus para exigir mais liberdade e a possibilidade de viver segundo as próprias leis” – descreve o jornal.

Como a polícia já não consegue travar a onda de violência, pede ajuda às forças armadas alemãs. Confrontos com os manifestantes levam ao derrame de sangue, que provoca indignação entre a comunidade mundial e principalmente nos países muçulmanos. Estes pedem a convocação do Conselho de Segurança da ONU, mas as suas decisões não são cumpridas.

“Então – continua o jornal – decide-se enviar para Berlim tropas internacionais de paz para a manutenção da paz, formadas pela Liga dos Estados Árabes. Sob a sua protecção, os islamitas expulsam da cidade a população alemã, criam os seus órgãos do poder, declaram o seu apego à democracia e aos seus valores e, por fim, declaram a independência de Berlim, que é reconhecida por uma série de Estados”.

Segundo o jornalista, esse cenário poderá ser considerado “louco” e estúpido” pelos leitores, mas “apenas terão parcialmente razão, porque foi precisamente segundo esse cenário não fantástico, mas real, que se desenvolveu a situação no Kosovo”.

O Krasnaia Zvezda considera que isso irá destruir a organização mundial existente e poderá transformar a Europa numa “manta de retalhos”.

“Não se trata apenas dos Estados não reconhecidos no espaço post-soviético... mas quase todos os países da Europa podem dividir-se, desintegrar-se em várias partes” – escreve o jornal militar, citando como exemplos a Espanha, Grã-Bretanha, Bélgica, França, Itália, Roménia, Dinamarca, Polónia, Suíça, Finlândia.

“Claro que nem todos os focos de separatismo existente na Europa são perigosos... mas muito deles, depois da proclamação da independência do Kosovo, ganharão tanta força que farão literalmente explodir o velho continente” – considera o diário.

O jornal russo atribuiu as culpas desta situação à política norte-americana e ao “politicamente correcto” da União Europeia. “Para os Estados Unidos é mais importante conservar a sua presença militar nos Balcãs e provocar uma “leve instabilidade” nas fileiras da União Europeia, enfraquecendo assim essa organização.

A Europa volta a cair na armadilha criada pela sua anterior política de estímulo da desintegração da URSS e Jugoslávia. E tem dificuldade em sair dela devido ao maldito “politicamente correcto” – considera o Krasnaia Zvesda.

O diário militar russo cita as palavras de Vitali Tchurkin, representante da Rússia no Conselho de Segurança da ONU, que declarou: “cerca de 200 formações poderão utilizar esse exemplo em todo o mundo.”
http://port.pravda.ru/mundo/18-02-2008/21686-futuro-0
JPTF 2008/02/18

Afeganistão foi o primeiro país a reconhecer a independência do Kosovo in BE92, 18 de Fevereiro de 2008

"We support the decision made by the people and we recognize Kosovo's independence," the troubled Asian country's Foreign Ministry spokesman said today.

This was followed by an annoucement by France after the EU ministerial meeting in Brussels today.

Reuters says that Britain, Germany and Italy followed Paris minutes later, saying they had or would imminently inform Priština of their decision.

Finland said it would be among those recognizing too.

Later during the day, U.S. Secretary of State Condoleezza Rice said that her country had formally recognized Kosovo's independence, and congratulated the "people of Kosovo".

U.S. President George Bush said Monday that the "people of Kosovo were now independent".

Bush was speaking in a live interview aired on NBC television from Arusha, Tanzania during a tour of Africa, Reuters reported.

"We'll watch to see how the events unfold today. The Kosovans are now independent. It's something I've advocated along with my government," Bush said.

Belgrade, backed by Moscow, has rejected such moves as illegal, and is seeking respect of its internationally recognized borders.

Earlier, Senators Barack Obama, Hillary Clinton and Joseph Biden all welcomed Kosovo Albanians' independence declaration.

One of the Democrats' presidential hopefuls, Clinton, called for a speedy recognition of Kosovo's independence.

Her rival, Obama, echoed the same sentiment, and added that he hoped Kosovo's authorities and people will do everything to make it a positive example of "democracy and rule of law".

Another democrat, Biden, who is the Foreign Policy Committee chair in the U.S. Senate, said he will soon call on his colleagues to join him in "expressing the Senate's support for Kosovo's independence".

Turkey was also one of the countries to support the Kosovo Albanians' moves that have been declared illegal by Serbia.

Ethnic Albanians in Kosovo Sunday declared unilateral secession from Serbia.
http://www.b92.net/eng/news/politics-article.php?yyyy=2008&mm=02&dd=18&nav_id=47809
JPTF 2008/02/18

fevereiro 17, 2008

"Efeito Boomerang": A ideologia e utopia multiculturalistas e as suas consequências


O artigo "Boomerang" de Pacheco Pereira, publicado na edição de sábado do "Público", contém reflexões importantes sobre o multiculturalismo e as suas consequências para as sociedades abertas, democráticas e pluralistas do Ocidente. Mais até do que o pedido de desculpas aos aborígenes feito pelo Primeiro-Ministro australiano (até certo ponto compreensível, apesar da encenação mediática), são sobretudo as recentes declarações do Arcebispo de Cantuária, no Reino Unido, a favor da Sharia islâmica, o melhor exemplo do "efeito Boomerang" a que está a dar origem a ideologia e utopia multiculturalistas.

Não há dúvidas que o pedido de desculpas é uma atitude típica ocidental, que tem na sua génese a marca do Cristianismo. Ironicamente, em sociedades cada vez menos cristãs, a muito cristã (e religiosa) atitude de expiação da culpa e do "pecado" está bem viva e pratica-se até de forma exacerbada. A ideologia multiculturalista foi buscá-la ao Cristianismo e transformou-a num acto de contrição que qualquer figura pública, que se queira apresentar como "progressista", deve efectuar na política-espectáculo actual. Agora, os actos de contrição e penitência não se fazem numa igreja ou confessionário, ou cumprindo promessas nos santuários da religião old fashion (Fátima, Lurdes, etc.), mas através de piedosas declarações encenadas para os media, como as do Primeiro-Ministro australiano ou as do Arcebispo de Cantuária. Tem razão Pacheco Pereira quando refere que esta atitude não tem paralelo noutras culturas. O caso da Turquia, país candidato à adesão à União Europeia, é já um bom exemplo dessa realidade cultural diferente: o "perdoa-me" pelo genocídio arménio de 1915, onde foram dizimadas cerca de 1 milhão de pessoas, não consta nem da agenda, nem do vocabulário dos conservadores-islamistas do AKP que actualmente governam o país, nem mesmo do programa dos partidos da oposição secularista que se lhe opõem. Aliás, como poderia constar, se os ocidentais têm o exclusivo da prática de genocídios?

Parece também cada vez mais claro que a ideologia multiculturalista se arrisca a ter um "efeito Boomerang" sobre os Direitos Humanos universais, ao vê-los como uma expressão da cultura ocidental e uma forma de "imperialismo cultural". Na realidade, o que há de mais genuinamente multicultural do que cada cultura ter a sua própria Declaração de Direitos Humanos, tal como cada grupo tem os seus próprios valores, que não são melhores nem piores do que os dos outros, mas apenas diferentes? Os países islâmicos, Turquia incluída, já viram a enorme janela de oportunidade constituída por esta ideologia ocidental. A par da Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas (1948) há a Declaração do Cairo sobre os Direitos Humanos no Islão (1990), derivados da Sharia islâmica, naturalmente. Por isso, o recente levantamento da proibição do uso do véu nas universidades e outras instituições públicas na Turquia, torna, sem dúvida, o país mais respeitador da Declaração dos Direitos Humanos (no Islão). Quanto aos cartoonistas dinamarqueses do Jyllands-Posten, que caricaturaram o Profeta Maomé, não respeitaram também esses Direitos Humanos, pelo que devem ser sancionados. Como o Estado dinamarquês está agarrado à "velha" Declaração universal e não os pune, um movimento de cidadãos "espontâneo" e genuinamente "multicultural", tomou a iniciativa de fazer cumprir os Direitos Humanos (no Islão). Quem somos nós para julgá-los?

Interessante é também sabermos como surgiu esta nova ideologia e utopia. Na sua raiz está a progressiva transformação da velha utopia igualitária marxista, que ruiu com o final da Guerra-Fria. O que começou nos anos 60 como uma luta progressista e justa contra a discriminação de certos grupos étnicos e sociais, transformou-se, por razões complexas, numa ideologia que pretende promover a diversidade até à exaustão em nome de uma nova utopia: a sociedade multicultural onde “todas as culturas têm igual valor” e co-existem, lado a lado, de forma paritária e harmoniosa. A luta pela igualdade e pela supressão das classes sociais deu lugar à luta pela diferença e pela promoção do grupo étnico e/ou religioso. O indivíduo deixou de ser tratado numa lógica de classe (como no marxismo), ou numa lógica de individualidade (como no liberalismo), para agora ser visto numa lógica comunitarista (multiculturalista). Como resultado, cada vez mais o grupo se interpõe entre o indivíduo e o Estado. Com este processo em marcha, que politiza deliberadamente a cultura e as relações pessoais e sociais, a democracia liberal e secular de indivíduos está progressivamente a ser corroída por dentro, nos seus valores e princípios fundadores. Em seu lugar, começa a configurar-se uma nova “democracia” étnico-religiosa, onde os direitos do grupo prevalecem sobre os direitos do individuais e se começam a impor e alterar a esfera pública.

Os efeitos (des)integradores da ideologia multiculturalista para as democracias pluralistas já foram amplamente diagnosticados e denunciados por politólogos como Giovanni Sartori e Brian Barry. Note-se que o pluralismo não é sinónimo de multiculturalismo; o pluralismo admite a diferença e é tolerante com esta mas não a promove como faz o multiculturalismo devido ao seu programa ideológico; este é um aspecto distintivo crucial. Todavia, apesar destes efeitos nefastos, a ideologia multiculturalista não é fácil de confrontar politicamente, nem pelo cidadão comum, nem até por forças políticas organizadas. Desde logo porque não se apresenta a votos – não há um “partido multiculturalista” –, o que a impede de ser derrotada, ou eventualmente sufragada, nas urnas. As actuais pressões no Canadá, Reino Unido, etc. para o reconhecimento pelo Estado da Sharia islâmica (para já, em matéria de família), mostram como a utopia multiculturalista – que os seus adeptos afirmam ser progressista, “emancipatória” e moralmente superior –, pode acabar por dar origem a um retrocesso civilizacional.
JPTF 2008/02/16

A independência do Kosovo vista da Rússia pelo jornal Pravda: "Foras-da-Lei!"


por Timothy BANCROFT HINCHEY

A bandeira dos Estados Unidos da América voa alta entre os terroristas albaneses em Kosovo, depois de Pristina previsivelmente desprezar a lei internacional e declarar a sua “independência”. A declaração foi feita hoje pelo líder ex-terrorista e agora "Primeiro-Ministro" de Kosovo, Hashim Thaçi.

Hashim Thaçi está habituado a quebrar a lei, tendo dirigido um dos monstros mais sangüinários jamais visto a desonrar as terras dos Balcãs, o temido Ushtria Çlirimtare e Kosoves, ou o Exército de Liberação de Kosovo (ou KLA, sigla em inglês), que, como ele próprio tem admitido, executou actos de terrorismo para provocar os sérvios a tomarem medidas.

De acordo com seu passado, este assassino, este bandido, este terrorista, agora um político auto-nomeado, teve a audácia não só de desprezar as leis da República de Jugoslávia, e depois as leis da Sérvia, mas agora vai desprezar a lei internacional também, numa reivindicação ridícula de “independência” num território que é, e sempre foi, uma Província da Sérvia. Por quê não proclama a “independência” de um cantinho da Albânia?

Qualquer reconhecimento de Kosovo como um estado independente por qualquer outra parte é uma quebra flagrante da lei internacional, desde que a declaração não tem nenhuma legalidade. De fato, qualquer membro da comunidade internacional que reconhece Kosovo está neste ato dando o consentimento à formação de um estado paria, dirigido pelo mafia albanesa.

Qualquer ato de reconhecimento de Kosovo dá o consentimento aos crimes horrendos perpetrados pelo bando de criminosos internacionais que se esconderam atrás do KLA, que executaram actos chocantes de assassinato, destruição de propriedade, de escravidão sexual, tráfico de drogas e armas.

Qualquer estado que reconhece estes criminosos como um Governo e este, o coração da Sérvia como um país independente, sem uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, quebrará a lei internacional e portanto, tal decisão fará dos Governos de tais países culpados da associação com criminosos.

Desde o Tratado de Westfália em 1648, a história da diplomacia internacional tem tentado estabelecer normas que respeitem as fronteiras existentes das nações soberanas. A Resolução 1244 da ONU reconhece o Kosovo como parte integral da Sérvia e visto que a Organização das Nações Unidas é o único fórum adequado da lei internacional com a jurisdição para determinar o estado de territórios, quer esta “declaração” absurda e ilegal, quer qualquer ato de reconhecimento, constituem uma quebra flagrante.

Que qualquer país que se considere um estado de lei, e que proclama que reconhece a necessidade de respeitar o devido processo legal, possa contemplar o reconhecimento deste bando de criminosos como um Estado é tão previsível como chocante.

O reconhecimento de Kosovo é uma admissão que a regra da lei, a noção de respeitar acordos vinculativos e o preceito de decência comum pertencem ao passado. O Mal ganhou sobre o Bem. O Demónio, afinal, venceu Deus.

Muitos das nações mais ricas e mais poderosas do mundo estão prestes a arremessar um precedente perigoso que basicamente despedaça qualquer tratado, despreza qualquer norma e profana as sepulturas dos milhares de homens e mulheres que laboraram infatigavelmente durante séculos para que a comunidade internacional pudesse ser construída sobre os alicerces da legalidade.
http://port.pravda.ru/mundo/17-02-2008/21670-forasdelei-0
JPTF 17/02/2008

A Sharia de novo: governo britânico planeia lançar "obrigações do tesouro islâmicas" in The Evening Standard, 17 de Fevereiro de 2008


A new sharia law controversy erupted last night over Government plans to issue special "Islamic bonds" to pay for Gordon Brown's public-spending programme by raising money from the Middle East.
Britain is to become the first Western nation to issue bonds approved by Muslim clerics in line with sharia law, which bans conventional loans involving interest payments as "sinful".
The scheme would mark one of the most significant economic advances of sharia law in the non-Muslim world.
It will lead to the ownership of Government buildings and other assets currently belonging to British taxpayers being switched wholesale to wealthy Middle-Eastern businessmen and banks.
The Government sees sharia-compliant bonds as a way of tapping Middle-East money and building bridges with the Muslim community.
But critics say the scheme would waste money and could undermine Britain's financial and legal systems.
Senior Conservative MP Edward Leigh, chairman of the Commons Public Accounts Committee, said: "I am concerned about the signal this would send – it could be the thin end of the wedge.
"British Common Law must be supreme and should apply to everyone."
A spokesman for the National Secular Society said: "There are lots of different ways to arrange financing.
"Constructing financial instruments to be sharia-compliant seems to me to involve a lot of unnecessary complication, which will serve only to make a lot of lawyers very rich."
The attempt to embrace Islamic financing would also appear to be at odds with Mr Brown's promise to promote Britishness and British values and institutions.
The Treasury has already faced heavy criticism for removing Britannia from 50p coins.
Other Western nations have been reluctant to issue Islamic bonds.
In the United States the bonds are banned partly as a result of claims that the money could be linked to terrorism.
The Treasury proposal follows the heated debate over the Archbishop of Canterbury Dr Rowan Williams's claim that the spread of elements of sharia law in parts of Britain was "inevitable".
Downing Street distanced Gordon Brown from Dr Williams's comments.
A spokesman said: "The Prime Minister is very clear that British laws must be based on British values and that religious law, while respecting other cultures, should be subservient to British criminal and civil law."
However, The Mail on Sunday has established that Chancellor Alistair Darling is ready to give the go-ahead to sharia-compliant bonds – known as "sukuk", an early Arabic form of cheque.
Treasury officials have been working behind the scenes for months on the plan.
The deadline for responses to Mr Darling's consultation document setting out how the bonds will work expires on Thursday.
The Islamic bonds proposal was devised by Mr Brown's former Treasury adviser Ed Balls, now Schools Secretary and the Premier's most powerful Cabinet ally.
He claims it is a vital way of improving relations with Muslims in Britain as well as helping the UK to obtain vast sums from Middle-East banks in oil-rich nations such as Dubai and Qatar.
Sharia-compliant bonds have been issued by the governments of Pakistan and Malaysia and private banks but never by a Western government.
Treasury officials say the aim is to attract big investors as well as making it easier for British Muslims to invest in National Savings products at banks and post offices.
The Government has already backed Islamic car loans and mortgages.
Sharia-compliant bonds were designed to get round the ban on paying interest – "riba" in Islamic law.
The Koran says it is sinful to make money from money.
Unlike a conventional bond which is debt-based, a "sukuk" is asset-based. Instead of receiving interest, bond holders receive "rent" on the asset, thereby complying with sharia law.
The Treasury consultation document says Government assets such as "buildings or a piece of infrastructure" would be switched to a "special-purpose vehicle" set up to administer the bond.
This would be carried out by a contract known as an "ijara".
The asset would then be leased back by the Government, generating rental payments for the Islamic bond holders.
When the "sukuk" matured, the Government would guarantee to buy back the asset, allowing the bond-holders to get their redemption payments.
"Sukuk are akin to Islamic investment certificates," the document says.
"They are designed to be in compliance with sharia law, the divine law in Islam which is based on the Quran."
Islamic bonds are slightly more expensive than Western-style bonds, mainly because they require extensive legal and religious advice.
The Treasury initiative has been given added impetus by the worldwide credit squeeze, which is making it harder for all governments to raise money.
The Government says the bonds will also help London retain its position ahead of New York and Frankfurt as the world's leading financial centre.
Global Islamic finance assets, including private equity and bonds, are now said to be worth up to £150 billion. Sukuk volumes have soared from almost nothing to £35 billion in the past ten years.
Maurice Fitzpatrick, a senior tax partner at accountants Grant Thornton, said: "The Treasury wants to borrow money from as wide a range of sources as possible.
"Sharia bonds might well prove to be more expensive, but we would not know for sure until it was put into practice."
Special rules for Islamic finances have been challenged by Mahmoud El-Gamal, chairman of Islamic economics at Rice University, Houston.
"The main beneficiaries are lawyers, multi-national banks and self-styled religious scholars retained as consultants to certify the Islamicity of re-engineered financial products," he said.
Muslim Labour peer Lord Ahmed said: "This is a positive step for Muslims in Britain but the main reason for doing it is to attract money to the UK from Middle-East investors. Claims that it is connected to terrorist funds are absurd."
http://www.thisislondon.co.uk/news/article-23438588-details/New+sharia+row+over+Chancellor's+plans+for+'Islamic+bonds'/article.do
JPTF 2008/02/17

fevereiro 15, 2008

"Quinta noite de violência na Dinamarca" in International Herald Tribune, 15 de Fevereiro de 2008


Rioting youths set fire to cars and trash bins and hurled rocks at police overnight as a spate of vandalism continued in Copenhagen and other Danish cities.

Nine youths were arrested in the capital after a fifth consecutive night of unrest, mostly in immigrant neighborhoods. Six of them would likely be charged with violence for throwing rocks at police officers, Copenhagen police operations chief Per Larsen said Friday. There were no reports of injuries.

Police said they were not sure what triggered the unrest last weekend. Some observers said immigrant youths were protesting against perceived police harassment, and suggested the reprinting of a cartoon of the Prophet Muhammad in Danish newspapers Wednesday, may have aggravated the situation.

"It has been a very busy night for the police and the firefighters here," said Henrik Andreasen, a spokesman for police in the western suburbs of Copenhagen. "It has been a bit insane."

Firefighters responded to dozens of fires in and around the capital. About 10 cars were torched in Kokkedal, north of Copenhagen, while a school in Bagsvaerd, west of the city, was partly destroyed in a presumed arson, police said.

In some cases, firefighters said they were hindered from putting out the fires by rock-throwing youths.

There were also reports of fires and vandalism in other Danish cities, including Aarhus, Ringsted and Slagelse. No arrests were made in those cities.

http://www.iht.com/bin/printfriendly.php?id=10081637
JPTF 2008/02/15

"Os dissidentes do Islamismo", por Caroline Fourest in Le Monde, 14 de Fevereiro de 2008


Les dissidents ne font pas dans la nuance. Ils résistent. Quitte à préférer la simplification à la soumission. Soljenitsyne refusait de faire la distinction entre utopie marxiste et totalitarisme communiste. Etait-ce son rôle ? Il a servi un camp contre un autre. Pouvait-il en être autrement ? Fallait-il boycotter L'Archipel du goulag, ne pas entendre son cri sous prétexte de certains excès ? A l'inverse, fallait-il renoncer à souligner ces excès sous prétexte de l'union sacrée contre le totalitarisme ?

Les mêmes questions se posent, aujourd'hui, à propos des dissidents de l'islamisme. Certains sont sortis de l'islam au risque d'être assassinés ou d'être stigmatisés comme traîtres. D'autres ont été forcées de se marier, de porter le voile, d'endurer les soupçons, les insultes, les calomnies. Elles ont résisté. Pour préférer la rébellion à la soumission, il faut un tempérament d'acier. Un acier que l'on ne tord pas facilement pour faire des alliages. Certains refusent la distinction entre islam et islamisme. Ils parlent même de nouveau fascisme à propos de l'idéologie au nom de laquelle on a voulu les soumettre de façon autoritaire, voire totalitaire. Comment leur demander de nuancer ?

Ceux-là n'ont souvent plus que l'Europe vers qui se tourner pour crier. Presque partout dans le monde, ils seraient bâillonnés. Pourtant, même en Europe, on leur demande de parler moins fort. Une certaine gauche craint d'attiser la haine et les amalgames, dans un contexte où toute parole contre l'islamisme peut effectivement servir de prétexte au racisme. Une certaine droite adore les entendre crier mais ne les écoute pas. Celle-là prétend lutter contre le fanatisme en durcissant les conditions d'accès au statut de réfugié politique, c'est-à-dire en fermant nos frontières à des hommes et à des femmes fuyant parfois les traditions ou la religion.

Fatigués de devoir résister aux démocrates de tous bords en plus des fanatiques, certains finissent par trouver refuge aux Etats-Unis. Comme l'écrivain Salman Rushdie. Comme l'ancienne députée néerlandaise Ayaan Hirsi Ali, qui y travaille aujourd'hui. Le choix paraissait logique pour les dissidents du communisme. Il est plus troublant pour les dissidents de l'islamisme. Paradis des anticommunistes, l'Amérique n'a aucune aptitude à devenir celui des mécréants. Seule l'Europe peut incarner cette terre de refuge. Son sort dépend bien sûr de l'évolution de la Pologne ou de la Turquie, mais aussi de celle de la Grande-Bretagne, des Pays-Bas ou de la France en matière de laïcité. L'affaire Ayaan Hirsi Ali fait partie de ces tests permettant d'imaginer le destin qu'elle va choisir.

C'est l'enjeu de la question écrite déposée par Benoît Hamon et trois autres députés européens socialistes pour demander que l'Union européenne finance sa protection, où qu'elle se trouve. C'est l'espoir incarné par la proposition de la secrétaire d'Etat Rama Yade, qui souhaite profiter de la présidence française pour susciter un Fonds européen permettant de financer la protection des esprits libres menacés.

Cette union sacrée pour une Europe qui résiste au fanatisme doit-elle nous amener à abdiquer toute nuance ? Sûrement pas. Il existe plusieurs façons de se battre contre ce nouveau totalitarisme qu'est le fanatisme. Et toutes les postures ne se valent pas. Il y a d'un côté ceux qui se battent contre l'islamisme au nom d'une identité basée sur des "racines chrétiennes", censées former aujourd'hui encore le "ciment national". Ceux-là ne défendent pas la laïcité, qu'ils voudraient en réalité assouplir au profit du religieux. Ils n'ont rien contre la religion en tant que telle, qu'ils voient même dans le coeur de chaque homme. Ils sont pour l'identité chrétienne et croient au choc "Islam contre Occident".

Leur combat est très différent, voire opposé, à celui que mènent les laïques authentiques, qu'ils soient religieux, athées ou gnostiques. Ceux-là se battent contre toute ingérence du religieux, qu'elle soit juive, chrétienne, musulmane ou bouddhiste. Seul le surcroît de danger de l'islamisme les oblige aujourd'hui à le mener surtout contre l'islamisme, et même parfois contre l'islam, puisque la religion sert de prétexte au fanatisme. Ceux-là ne défendent pas l'identité chrétienne mais la laïcité, et même la laïcité à la française. Ils ne croient qu'au choc "fanatisme contre laïcité".

Entre ces deux postures, la frontière parfois se brouille. Notamment lorsqu'il faut serrer les rangs autour de ceux que l'ennemi commun menace de tuer. Les dissidents eux-mêmes naviguent entre les deux postures, voire en inventent d'autres, toujours plus radicales. Leur demander de se taire nous rendrait complices de ceux qui veulent les réduire au silence. Sacraliser leur parole, se refuser à toute critique, reviendrait à les exfiltrer du dialogue démocratique pour en faire des icônes. Que nous soyons d'accord ou non avec chacune de leurs virgules, nous devons les défendre contre ceux qui préfèrent le silence à la moindre faute de grammaire. Mais nous ne devons pas non plus simplifier notre grammaire. Le rôle des intellectuels est de se battre pour qu'ils puissent de nouveau penser hors de danger. En suscitant l'union autour d'eux. Sans tuer l'esprit critique que l'on veut justement sauver.
http://www.lemonde.fr/opinions/article/2008/02/14/les-dissidents-de-l-islamisme-par-caroline-fourest_1011375_3232.html
JPTF 2008/02/14

fevereiro 14, 2008

"O que a Sharia paralela significa na prática" por Daniel Finkelstein in Times, 12 de Fevereiro de 2008


I wonder whether the Archbishop of Canterbury has heard of Lina Joy?

Since Rowan Williams made his extraordinary intervention I have been in correspondence with Malaysians with direct experience of living under a parallel system of state and Sharia.

There have been numerous disputes concerning the correct courts to be used in different cases.

One of the most famous controversies concerns Lina Joy. Actually that's only her name now, her Christian name. Her birth name is Azlina Jailani, and she was born a Muslim.

In 1981 Lina Joy became a Christian and she is trying to have herself declared as such on her identity card, her MyKad. One reason is that she wishes to marry her Christian boyfriend and it is illegal for her to do this while she remains classified as a Muslim.

However her attempts to have her conversion recognised have failed.

The civil courts, and finally the highest court - the Federal court - have ruled that she can't decide on her religion for herself. She has to to be given approval by the Islamic courts. Which, of course, is not forthcoming.

As the decision was announced last May, outside the federal courts a crowd chanted Allahu Akhbar.

This is not the only type of case, by any means, where the joint jurisdiction poses fundamental problems of human rights. Another type concerns what is known as body snatching.

The conversion of non-Muslims near death without the knowledge of their families has caused fierce rows. One reason, according to my correspondents, is that conversion changes the destination of any inheritance with Islamic courts deciding and inherited assets flowing only to Muslim relatives or the community.

Divorce battles raise similar questions. Conversion by the father in the run-up to a divorce gives him crucial advantages - he gets custody, turns the children into Muslims and prevents his wife using the civil courts.

Running a dual court system produces extraordinary practical difficulties and the opportunity for human rights abuses. Just ask the campaigners in Malaysia.
http://timesonline.typepad.com/comment/2008/02/i-wonder-whethe.html
JPTF 2008/02/15

"Mudança climática: a nova religião?" in El Pais, 14 de Fevereiro de 2008


por Carmen Pérez-Lanzac

El lenguaje mesiánico cala y ha convertido la lucha contra el calentamiento en un credo.

El cambio climático ha movilizado a científicos que lo estudian, a ingenieros que buscan soluciones tecnológicas y a economistas que las miden. Y empieza a atrapar también una dimensión espiritual que lo está convirtiendo, en opinión de algunos, en la nueva religión del siglo XXI. Una nueva espiritualidad ecológica. El lenguaje mesiánico y los instrumentos casi religiosos que se utilizan rompen los esquemas discursivos y calan en una opinión pública más escéptica ante causas del pasado.

A finales de octubre del año pasado, Al Gore desembarcó en Sevilla para hablar de su movimiento contra el cambio climático, el Proyecto Clima. Gore, de 59 años, se subió al estrado y por enésima vez interpretó con entusiasmo el discurso que viene repitiendo desde hace ya varios años. Ese día, alguien le preguntó: "¿Cómo es usted capaz de repetir lo mismo una y otra vez?" "Porque soy un hombre con un sentido de misión, por eso puedo decir las mismas cosas sin perder la fuerza, la ilusión. Porque llevo un mensaje en el que creo apasionadamente", contestó.

En su afán por llegar al interlocutor, Gore, que es profundamente religioso, usa frases como "A Noé se le dijo que salvase las especies vivas y ello hoy sigue siendo nuestra obligación". Y antes de aleccionar a los embajadores o discípulos que forman parte de su movimiento, 1.700 por todo el planeta, les pide una "conexión espiritual".

"La estructura que Al Gore ha organizado resulta casi religiosa, con discípulos que transmiten la buena nueva, como Jesucristo", reflexiona el biólogo Miguel Delibes de Castro. "Los científicos solemos insistir en que hay que racionalizar los problemas, pero lo cierto es que es más vendible el mensaje emocional, sobre todo si implica a fuerzas superiores a nosotros. Ayuda a que la gente se mueva por algo que debe resultar parecido al sentir de la tribu antes ese dios mágico. A mí no me gusta esta forma de funcionar. Al Gore se considera un hombre con una misión, y yo de Mesías tengo más bien poco. Yo aviso de que algo está pasando y es la sociedad quién debe decidir qué hay que hacer. Sin embargo, soy mucho menos eficaz. Al Gore ha vuelto a demostrar que moviliza mucho más algo parecido a la fe que la racionalidad".

El de Al Gore es el ejemplo más visible, pero no el único. Frases como "Hay que salvar el planeta", "Tenemos una misión", "la culpa es del hombre (¿el pecador?)", "llega el cambio climático" (¿el castigo?), ya no suenan tan raras. "El mensaje ecologista con componentes religiosos ha calado mucho", dice Miguel Ferrer, biólogo y presidente de la Fundación Migres. "Las corrientes ecologistas integristas tienen muchas características comunes con escuelas basadas en creencias religiosas. Cada vez se oye más el discurso según el cual el hombre es el ser malvado que provoca destrucción y debe ser expulsado de los últimos paraísos".

Sin embargo, la conexión entre ecología y religión no resulta tan extraña si tenemos en cuenta el concepto del prójimo, como apunta Víctor Viñuales, director de la Fundación Ecología y Desarrollo: "Casi todas las religiones tienen en el centro la idea del prójimo. Y si ampliamos el concepto, ¿quién es tu próximo? Hoy sabemos que en un mundo global las consecuencias de lo que hacemos aquí y ahora, afectan a los que están lejos, tanto en el espacio como en el tiempo. Si construimos una presa en un paraje espectacular, nuestros bisnietos y las generaciones venideras no podrán disfrutarlo. No sólo eso, también afectará a otros seres vivos que se están extinguiendo de manera masiva. Visto de este modo, hay una conexión muy clara entre religión y sostenibilidad".

Uno de los 200 embajadores de Al Gore es Juan Negrillo. Se conocieron hace años, durante una de las visitas del candidato frustrado a la presidencia de Estados Unidos a la Campus Party, el evento de entretenimiento electrónico que reúne a más de 8.000 jóvenes en Valencia a finales de julio y del que Negrillo es organizador. Éste recuerda que ya entonces Gore aprovechaba cualquier ocasión, como una cena entre amigos, para ensayar su discurso, el mismo que hace de hilo conductor de su documental Una verdad incómoda. Fue entonces cuando el malagueño se enganchó a la misión del Nobel de la Paz. Preguntado sobre la conexión entre su discurso y el sentir religioso, Negrillo reflexiona: "Todas las religiones hunden sus raíces en la fe, y en ese sentido se puede confundir el mensaje ecologista y de defensa del clima con uno religioso, porque como no podemos tocar, oler, pesar o ver el CO2 y es casi una cuestión de fe en la comunidad científica".

La explicación suena sensata. Aunque también puede que se trate simplemente de una cuestión lingüística, como apunta el filósofo Jesús Mosterín: "Este lenguaje aplicado a la ecología es simplemente metafórico. Frases como el castigo del cambio climático... Son palabras sin sentido literal, como cuando decimos de una chica rubia que tiene los cabellos de oro. Lo que sí es cierto es que la vida es un fenómeno tan raro y fascinante que entiendo que mucha gente piense que es una misión preservarla. Pero no lo es porque nos lo ordene una autoridad externa. Einstein decía que él no creía en un dios, pero que se sentía profundamente religioso porque se sentía identificado con el universo".

El coqueteo entre ecologismo y espiritualidad, no es nuevo. 1966 fue una fecha clave. Ese año se publicó Ciencia y supervivencia, de Barry Commoner, uno de los libros fundacionales de las corrientes ecológicas o ambientales con inspiración más o menos religiosa. "La segunda mitad del siglo XX contempló el auge de múltiples movimientos religiosos, espirituales y espiritistas, caracterizados por ser una mezcla de elementos diversos", explica el filósofo José Antonio Marina. "Uno de ellos prolongó el fervor ecológico de los últimos decenios. Para mí, lo importante son los factores que se unieron en esa espiritualización ecológica. Nació posiblemente del movimiento hippy, de su vuelta a la naturaleza, se unió con un cierto panteísmo, por entonces de moda, que se volvía hacia la Tierra como un ser vivo, con el que se establecía una relación mística. Se admiró la relación con la naturaleza de las antiguas culturas, la Pacha Mama, el respeto de las tribus americanas".

"La hipótesis Gaia, de Lovelock, colaboró, considerando a la Tierra como un ser vivo al que hay que respetar", añade Marina. "Teorías como la Deep Ecology exaltaron el valor del mundo vegetal, hasta el punto de comparar la tala de un bosque con el asesinato de judíos en un campo de concentración. A todo esto, se unió el interés por la ética ecológica, que llamaba la atención sobre la necesidad de cuidar la naturaleza. Y también la influencia de religiones orientales, como un budismo light, que defiende la compasión universal por todos los seres. La espiritualidad ecológica es un cesto hecho con muchos mimbres".

El autor más famoso de estas corrientes es James Lovelock y su libro Gaia, una nueva visión de la vida sobre la Tierra, en la que desarrolla la idea de que la Tierra es un gran organismo vivo, una idea que tiene algo de religioso porque se basa en una intuición que desborda la razón científica. "Cuando se publicó, a mediados de los setenta, hubo un fuerte rechazo, pero ahora es muy aceptado", dice Jorge Riechmann, profesor de filosofía moral y vicepresidente de Científicos por el Medio Ambiente. "No es tan raro que haya cierto intercambio entre pensamiento religioso y ecológico", continúa. "Todas las grandes religiones comparten un sentimiento de conexión universal con el cosmos, de inmersión con el todo".

Pero, ¿qué piensan los ecologistas de todo esto? La mayoría no ve puntos en común ni le gusta la idea. "Mi sensación es que no existe ninguna conexión entre ecología y religión. El planteamiento es radicalmente diferente y el mensaje mayoritario no es el de que tenemos una misión", dice Yayo Herrero, coordinadora estatal de Ecologistas En Acción.

"No se trata de una cuestión de religiosidad, sino de valores", dice Juan López de Uralde, director ejecutivo de Greenpeace España. "Yo me siento parte de un movimiento social, ciudadano, que trata de introducir en nuestra escala de valores cosas que no se tenían en consideración, como el respeto al planeta, y que debe formar parte del conjunto de valores en los que nos movemos. Y esos valores se encuentran tanto en una persona laica como en una religiosa. No son incompatibles. Hay una cierta utilización torticera del lenguaje en todo esto y mucho en el sentido peyorativo, cuando la auténtica realidad es que si a algo le rinde pleitesía la sociedad es al consumismo y al petróleo".

Este mismo argumento también viene a la cabeza de Herrero: "El crecimiento económico sí que se ha convertido en una religión. La sociedad occidental y en el proceso de la globalización, la finalidad que ha adquirido casi tintes religiosos es la obtención de beneficios económicos a costa de casi todo"

Lo curioso del debate es que, con contadas excepciones, las grandes religiones no han prestado apenas atención a la ecología. "Es llamativo, pero no hay una postura oficial contundente", apunta Miguel Ferrer. "Para la religión católica la familia parece estar mucho más en riesgo que el propio planeta". Puede que a partir de ahora esto cambie. En un hecho sin precedentes, durante el tradicional mensaje de Navidad, pronunciado desde el balcón central de la basílica de San Pedro del Vaticano, el papa Ratzinger hizo una discreta alusión al problema del cambio climático. Dijo: "En el mundo crece cada vez más el número de emigrantes, refugiados y deportados, también por causa de frecuentes calamidades naturales, como consecuencia a veces de preocupantes desequilibrios ambientales".

Preocupantes desequilibrios ambientales. Toda una novedad dentro de los habituales discursos papales. Como también lo es el hecho de que el Vaticano haya decidido plantar un bosque en Hungría para compensar o neutralizar sus emisiones de CO2, al igual que muchas grandes empresas. Tanto unos como otros, ¿lo hacen movidos por un sentimiento auténtico de respeto al planeta o como una forma de publicidad?

Juan Negrillo insiste en que, aunque no se puede confundir ecología con religión, tampoco se debe dejar de lado el trasfondo filosófico que subyace detrás de los cambios que deberíamos afrontar para frenar el calentamiento del planeta. Para apoyar su argumento, Negrillo pone de ejemplo un relato que tiene toques de fábula: "Un día, un científico del Panel Intergubernamental del Cambio Climático (formado por más de 2.000 expertos) me contó una historia que me parece que viene muy al caso. Me dijo que cuando el panel empezó a reunirse, hace ya unos 20 años, había en el grupo un anciano científico japonés que en una de las reuniones intervino y dijo 'los científicos hemos constatado que existe un problema de emisiones, pero no lo podemos resolver. Puesto que el CO2 lo producen las máquinas, tendremos que llamar a los ingenieros. Estos, a su vez, dirán que existe la tecnología necesaria para solucionar el problema, pero que cuesta dinero, así que se llamará a los economistas. Los economistas harán sus cálculos y dirán que, para conseguirlo, habrá que cambiar nuestro actual modelo social basado en el transporte, el derroche energético... así que se llamará a los sociólogos. Éstos, a su vez, dirán que es un problema de escala de valores que ellos no pueden resolver, así que se acudirá a los filósofos para que nos digan qué valores deberíamos poner nuestro empeño e interés".

Muchos de los puntos que anunciaba este anciano sabio se han ido cumpliendo. Los ingenieros llevan años estudiando alternativas. En 2006, el economista Nicholas Stern calculó el impacto del calentamiento global sobre la economía mundial. Que nuestro modelo social falla, ya lo hemos asumido. Puede que le esté llegando al turno a los cuestionamientos filosóficos, y de ahí que ecología y espiritualidad parezcan ahora más cerca que nunca.
http://www.elpais.com/articulo/sociedad/Cambio/climatico/nueva/religion/elpepusoc/20080214elpepisoc_1/Tes
JPTF 2008/02/14

fevereiro 13, 2008

"Kosovo planeia declarar a independência dentro de dias" in CNN, 13 de Fevereiro de 2008


In response to the anticipated declaration, Serbia has asked for an emergency meeting of the United Nations Security Council on Thursday to discuss "the extremely grave situation" in Kosovo, according to a report that was carried Wednesday by Novosti, the Russian News and Information Agency.

The Security Council plans to consider Serbia's request for an emergency meeting on Wednesday, the agency said.

Russia "categorically opposes the unilateral independence" of Kosovo, the news agency said. The new Serbian president, Boris Tadic, also opposes Kosovo's independence.

In an essay published Wednesday in the Kosova Press, a news agency, Prime Minister Hashim Thaci of Kosovo said that he expects Kosovo's parliament to declare independence "in the coming days."

European Union officials expect Kosovo to declare its independence on Sunday, Novosti reported.

Kosovo is a province of Serbia that has been under United Nations control since shortly after NATO warplanes forced out Serbian forces in 1999.

Despite the harsh words from opponents, analysts say they don't expect violence. Serbia's displeasure at an independent Kosovo is tempered by its president's ambition to join the European Union, which supports independence, and regional neighbors such as Albania and Macedonia who are cautious.

Observers have anticipated Kosovo's independence for months, ever since two years of U.N-sponsored talks to determine Kosovo's final status ended without agreement.

The pace accelerated last month when Kosovo's assembly approved former guerrilla leader Thaci as prime minister. He made declaring independence his top priority, and last weekend, Thaci said he had finally set a date.

"This weekend will be the last one before Kosovo declares independence," Thaci said Saturday.

Indicating it expected an imminent declaration, the European Union was finalizing plans to send an 1,800-member security and justice force to Kosovo, an EU official said Monday. The force, approved by EU leaders in December, will gradually take over from U.N. police and also will include judicial and legal personnel.

Kosovo's ethnic Albanian majority will be under close scrutiny after independence, especially about honoring the rights of the Serbian minority, who currently live in enclaves protected by NATO forces. Ethnic Albanians in Kosovo outnumber other ethnic groups, the largest being the Orthodox Christian Serbs, by about 9 to 1.

Protected Serbs have expressed fears of being further cut off from Kosovar society, and some even talk of leaving Kosovo altogether.

But Kosovo Albanians say memories of their persecution at the hands of the Serbs in the late 1990s are too fresh to reciprocate, and analysts say they're not likely to.

"The one thing the U.N. and the Kosovar government have done very well is stressing the right of the remaining Serbs to remain in place," said Tomas Valasek, director of foreign policy and defense at the Center for European Reform in London.

Valasek said the United Nations, which has administered Kosovo since 1999, has worked closely with Kosovo on a policy of "standards before status," making sure the government adheres to international standards -- such as protecting minorities -- before it can declare independence.

Serbian fears may be justifiable, Valasek said, in part because Thaci is the former political leader of the Kosovo Liberation Army, which rose up against Serb rule at the end of the last decade. But he said Thaci has worked hard to address the concerns.

"I think (Thaci) genuinely wants to be seen as the leader of a country rather than an ethnic guerrilla," Valasek said.

http://edition.cnn.com/2008/WORLD/europe/02/13/kosovo.independence/index.htmlJPTF 2008/02/13

"A Xária (Sharia) é para todos!", artigo de Henryk M. Broder no Spiegel online, 12 de Fevereiro de 2008


The archbishop of Canterbury has proposed a partial introduction of Islamic Shariah law in Great Britain. This is yet another step on the part of the Western world to subjugate itself to a Muslim immigrant minority unwilling to integrate.

In the autumn of 2006, the Dutch were dismayed over a book that had been published by the country's then justice minister, in which he speculated over the introduction of Shariah law in the Netherlands.

"How can this (the introduction of Shariah) be prevented legally?" the minister wrote. "Simply calling it 'impossible' would be scandalous. The majority counts. This happens to be the essence of democracy."If two-thirds of the Dutch public favored Shariah, the minister argued, its introduction would be unavoidable.

Forced onto the defensive, the minister explained that his comment had merely been a reference "to the democratic principle" that a two-thirds majority is all it takes to amend the country's constitution.

At the same time, of course, he criticized the ongoing immigration and integration debate. "I don't like the tone of the political debate," he said. "To say: 'You must conform and accept our norms and values as your own; be reasonable, do as we do,' doesn't conform to the way I think things should be handled.'"

But the minister neglected to explain exactly how he thought things should be handled. His omission only reinforced the impression among many in the Netherlands that what he really meant was that it is not the immigrants who should "conform and accept our norms and values," but the Dutch who should conform to the norms and values of immigrants.

In the summer of 2007, Tiny Muskens, a liberal Catholic and the former bishop of the Dutch city of Breda, proposed replacing the word "God" with the word "Allah." Allah, he said, is a nice name for God and, for this reason, we shouldn't feel uncomfortable about referring to God as Allah.

A short time later, the Social Democratic mayor of Brussels, Freddy Thielemans, banned a rally - scheduled to take place on the sixth anniversary of 9/11 - to protest the gradual Islamicization of Europe. He also instructed Brussels police officers not to smoke or eat in public during the month-long Ramadan fast, so as not to offend Muslims. A bit farther south, in Zurich, police officers were asked to acquaint themselves with Islamic culture by voluntarily refraining from eating or drinking for an entire day during Ramadan.

How "Islamic Extremism" Disappeared

Meanwhile, the BBC announced a new policy on its Web site's "Section on Islam": Any mention of the Prophet Muhammad was to be followed by the phrase "Peace be upon him." The move, a BBC spokesman explained, was intended to ensure a "fair and balanced" portrayal of Islam.

It didn't take long before the British Home Office announced a new rule applicable to all official government statements: Phrases like "war on terror" and "Islamic extremism"" were no longer to be used. Home Secretary Jacqueline Jill Smith explained the reasoning behind the rule: Extremists, she said, act, not in the name of Islam, but in opposition to their faith. For this reason, she argued, their activities ought to be referred to as "anti-Islamic activities." Ms. Smith was essentially using a rhetorical trick to wipe terrorism off the table.

As is common in England, the minister's directive was accepted without much opposition. Only a handful of critical Britons were astute enough to ask why, in the days of IRA terrorism, the organization's activities were not referred to as "anti-Irish activities."

And now a British cleric wants to introduce Shariah in England. Mind you, this is not just any pastor from some tiny village in Wales, but rather the spiritual leader of the Anglican Church, Rowan Williams, archbishop of Canterbury. According to Williams, Britain must consider the fact that some citizens cannot identify with British law. Accepting some aspects of Shariah, he argued, could help to avoid social tension. Under Williams' proposal, people involved in marital conflicts and financial disputes would be able to choose between British law and Shariah.

The archbishop could actually be right -- on a purely factual level, at least. It would indeed help to avoid social tensions if Muslims were not required to observe the aspects of British law governing marriage and divorce. Even a few non-Muslims might find this option rather appealing. A "temporary marriage," as is possible under Shariah, could certainly have many advantages, especially if "temporary" means only a few hours or days.

A Cafeteria-Style Society?

But the bishop is mistaken if he believes that one can structure a society like a cafeteria, where diners can choose between meat and vegetarian menus. A little bit of Shariah is just as unrealistic as a little bit of pregnancy. Shariah regulates all aspects of life, and anyone who proposes assuming only parts of Shariah fails to comprehend its inherent inevitability. Imagine if we were to allow nudity in public swimming pools, but only under the condition that each visitor be allowed to decide which article of clothing he or she wishes to remove.

The proposal by the archbishop of Canterbury is evidence of more than just an unbelievable naiveté. It also reveals how far the idea of preventive capitulation in the face of an unsolvable problem has advanced.

Proponents of preventive capitulation would argue that because some immigrants are unwilling or unable to accept the rules of society, society should assume the immigrants' rules. For them, "integration" could also be defined as the need for the majority to conform to a minority.

Voting under the Burqa

When the day comes when coeducation has been eliminated in schools and the burqa becomes mandatory for all women, when pubs no longer serve ale and female passengers have their own separate compartments on buses and trains, where they can feel safely protected against the lustful eyes of men, that will be the day when even the last opponents of Shariah will have to admit that social tensions have in fact declined. Those who live in windowless basements need not live in fear of getting sunburned.

What's next? Will women have the right to vote without having to show their faces? What a wonderful idea! Women being allowed to show up at polling places and cast their votes while veiled from head to toe - provided, of course, they bring along two forms of identification and a witness who can vouch for their identity.

Not in England - not yet, at least. But precisely that is possible in liberal Canada, a member of the Commonwealth of Nations, whose titular head is the British monarch.

http://www.spiegel.de/international/europe/0,1518,druck-534772,00.html
JPTF 2008/02/12